Justiça obriga Receita Federal a remover “nome da mãe” do CPF

Grupos LGBTQIA+ pede para o campo conter a palavra “filiação”

Justiça Federal de Curitiba, no Paraná, ordenou que a Receita Federal remova dos formulários de cadastramento e retificação do CPF o campo “nome da mãe” e troque por “filiação”. A determinação atende a uma ação civil movida por entidades de defesa da diversidade sexual e de gênero, assim como representantes da comunidade LGBTQIAPN+

A decisão partiu da juíza federal Anne Karina Stipp Amador Costa, da 5ª Vara Federal de Curitiba, que reconheceu multiplicidade de arranjos familiares e identidades de gênero, incluindo a condição de intersexualidade.

No julgamento, ela deu um prazo de 180 dias para que a Receita Federal possa realizar as adaptações nos formulários de cadastro e retificação do CPF, seja de forma presencial ou online. Cabe recurso.

A magistrada citou uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconheceu a união homoafetiva como um núcleo familiar, exigindo tratamento equivalente ao dado às famílias heteroafetivas. Anne Karina Stipp Amador Costa também citou que a mudança visa respeitar a dignidade humana, reconhecendo a diversidade de arranjos familiares e identidades de gênero, assim como a condição de intersexualidade, em conformidade com os direitos fundamentais de personalidade, igualdade, liberdade e autodeterminação.

Outro pedido feito pelos grupos é a inclusão das opções “não especificado”, “não binário” e “intersexo” dentro do campo “sexo”, onde o cidadão se declara homem ou mulher.

Os autores da ação declaram que a retirada da opção de inserir o nome da mãe “representa um avanço na proteção dos direitos das famílias com parentalidade homotransafetiva”. A crítica dos grupos é que a palavra “mãe” reflete ” uma lógica de ideologia de gênero heterocisnormativa”, excluindo famílias onde não há a presença da mulher, como casos de filhos de casais gays.

Assinam a ação civil a Aliança Nacional LGBTI+, Grupo Dignidade, Associação Brasileira de Famílias Homotransafetivas (Abrafh), Associação Brasileira Intersexos (Abrai), Centro de Acolhida e Cultura Casa 1, Articulação Nacional das Transgêneros (Antra), Defensoria Pública da União (DPU) e Ministério Público Federal (MPF), com a Associação Nacional de Juristas pelos Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgêneros e Intersexuais (Anajudh) atuando como Amicus Curiae.

Pleno News 

Artigo anteriorFEBRACIS: Conferência de Neurociência e Comportamento Humano impacta centenas de vidas em Manaus!
Próximo artigoHamas agradece Lula por chamar Israel de genocida

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui